O WhatsApp é realmente seguro?

Quem sou
Joel Fulleda
@joelfulleda
O WhatsApp é realmente seguro?

5 ameaças de segurança que todos devem saber

Whatsapp, a plataforma de mensagens instantâneas de propriedade do Facebook, é um dos aplicativos de mensagens instantâneas mais populares do mundo. Estima-se que mais de um bilhão de pessoas usam o aplicativo, enviando mais de 65 bilhões de mensagens por dia.





Portanto, não é novidade que as preocupações com a segurança, ameaças de malware e spam começaram a ser notados.

Aqui está tudo o que você precisa saber sobre problemas de segurança em relação ao WhatsApp:

Quer navegar sem limites a 1 Gigabit com fibra ótica real? Verifique se sua área é coberta e descubra a incrível taxa de InformaticsKings UltraInternet Fibra!

 

1) Malware relacionado ao WhatsApp web

A colossal base de usuários do WhatsApp o torna um alvo óbvio para os cibercriminosos, muitos dos quais se concentram em WhatsApp web. Por muitos anos, o Whatsapp permite que você abra um site ou baixe um aplicativo de desktop, escaneie um código com o aplicativo em seu celular e use o WhatsApp em seu computador.

Lojas disponíveis no celular (app Store su iOS e Google Play su Android) geralmente têm regulamentos muito rígidos em relação à presença de aplicativos em catálogos. Quando você pesquisa pelo WhatsApp nessas lojas, geralmente fica claro qual é o aplicativo oficial. O mesmo não se pode dizer do que se encontra na rede fora das lojas oficiais.

Já houve casos em que hackers, criminosos e golpistas se aproveitaram dessa situação, fazendo parecer que o software malicioso é o WhatsApp na versão para desktop. Se você teve a infelicidade de ter baixado uma cópia, esteja ciente de que o programa pode distribuir malware ou comprometer seu computador.

Outros usaram uma abordagem diferente, criando sites de phishing que tentam persuadir você a fornecer informações pessoais. Alguns desses sites se disfarçam de WhatsApp web, pedindo seu número de telefone para se conectar ao serviço. No entanto, esse número será usado para bombardeá-lo com spam ou para correlacioná-lo com outros dados hackeados na Internet.



Para ficar no lado seguro, é melhor usar apenas aplicativos e serviços de fontes oficiais. Para usar o WhatsApp Web, vá para esta endereço.

2) Backups não criptografados

As mensagens enviadas no WhatsApp são criptografadas  end-to-end. Isso significa que apenas o seu dispositivo e o do destinatário podem descriptografá-los. Esse recurso evita que mensagens sejam interceptadas durante a transmissão, nem mesmo pelo próprio Facebook. Isso não os protege, no entanto, uma vez que são decodificados.

O WhatsApp permite fazer backup de mensagens e arquivos no Android e iOS. É uma função essencial que permite recuperar mensagens do WhatsApp apagadas por engano. Existe um backup local no seu dispositivo, bem como um backup baseado em nuvem. No Android, os dados do WhatsApp podem ser copiados para o Google Drive. Se você estiver usando um iPhone, o destino de backup é iCloud. Esses backups contêm as mensagens descriptografadas pelo seu dispositivo.

O arquivo de backup armazenado no iCloud ou Google Drive não é criptografado. Como esse arquivo contém versões descriptografadas de todas as mensagens, ele é teoricamente vulnerável e coloca a criptografia de ponta a ponta do WhatsApp em sério risco.

Como você não tem escolha no local de seus backups, você está simplesmente à mercê dos gerenciadores de nuvem para manter seus dados seguros. Embora nenhum grande ataque de hacker tenha sido realizado no iCloud ou no Google Drive até o momento, isso não significa que não seja totalmente possível. Existem também outros meios que os hackers podem usar para acessar suas contas na nuvem.


Um dos benefícios da criptografia é (ou deveria ser) a capacidade de impedir que governos e agentes da lei acessem seus dados. Como o backup não criptografado é armazenado em um dos dois serviços de nuvem americanos mais conhecidos, seria necessário um mandado para acessar as mensagens. Se você optar por fazer backup dos dados do WhatsApp na nuvem, a criptografia de ponta a ponta ficará seriamente comprometida.   


3) Compartilhamento de dados do Facebook

O Facebook tem sido fortemente criticado nos últimos anos. Uma dessas críticas diz respeito ao monopólio "de fato" e às ações em detrimento da concorrência. Os reguladores tentam minimizar o comportamento anticompetitivo avaliando qualquer tentativa de compra de concorrentes.

Então, quando o Facebook decidiu adicionar o WhatsApp ao seu portfólio, a União Europeia aprovou a decisão, desde que as duas empresas (e seus dados) fossem mantidas separadas.

Não demorou muito para que o Facebook retornasse a este acordo, atualizando sua política de privacidade em 2016 para permitir o compartilhamento de dados do WhatsApp para o Facebook. Embora a extensão dessa passagem de dados não tenha sido divulgada, ficou claro que ela ainda incluía números de telefone e dados de uso (como a última vez que o serviço foi usado).

Na época, eles afirmaram que nenhuma informação seria publicamente visível no Facebook, o que implica que ela permaneceria oculta em seu perfil. Após este anúncio, o WhatsApp permitiu que os usuários cancelassem o compartilhamento de dados. Nos anos seguintes, a opção foi eliminada silenciosamente.

4) Notícias falsas e golpes

Nos últimos anos, as empresas de mídia social foram criticadas por permitir a divulgação de notícias falsas e desinformação diversa. O Facebook, em particular, foi condenado por seu papel na disseminação de desinformação durante a campanha presidencial americana de 2016.

O WhatsApp também esteve lá. Durante os distúrbios que ocorreram na Índia em 2017 e 2018, mensagens contendo sequestros de crianças foram artisticamente empacotadas, temperadas com informações locais. Essas mensagens se espalharam por toda parte e culminaram no linchamento daqueles que foram injustamente acusados ​​desses falsos crimes.

No Brasil, o WhatsApp foi a principal fonte de notícias falsas ao longo da eleição de 2018. Como esse tipo de desinformação era muito fácil de se espalhar, os empresários montaram empresas que criavam campanhas ilegais de desinformação no WhatsApp contra candidatos. Eles conseguiram fazer isso porque no WhatsApp o nome de usuário coincide com o número de telefone, então eles compraram listas de números de telefone para segmentar.

Ambas as questões se arrastaram ao longo de 2018, um ano devastador para o Facebook. A desinformação digital é um problema difícil de resolver, mas muitos consideram a reação do WhatsApp a esses eventos à beira da indiferença.

No entanto, a empresa implementou algumas mudanças, como a limite de encaminhamento de mensagens, aumentou de 250 grupos para apenas 5. Além disso, a empresa também eliminou o botão para encaminhamento em várias regiões.

5) O "status" do WhatsApp

Por muitos anos o "estado“do WhatsApp, uma linha curta de texto, era a única forma de fazer com que todos soubessem o que estava sendo feito em um determinado momento. O status evoluiu e se tornou praticamente o clone do Instagram Stories.

O Instagram é uma plataforma que pretende ser pública, embora seja possível tornar o seu perfil privado. O WhatsApp, por outro lado, é um serviço mais íntimo, e é mais usado para se comunicar com amigos e familiares. Por isso, pode-se considerar que mesmo compartilhar um estado no WhatsApp é privado.

Esse não é o caso. Qualquer pessoa em sua lista de contatos no WhatsApp pode ver seu status. E, felizmente, é fácil controlar as pessoas com quem você está compartilhando.

Seguir em frente Configurações> Conta> Privacidade> Status e você terá três opções possíveis para escolher.  

O WhatsApp é definitivamente seguro?

O WhatsApp é uma plataforma confusa. Por um lado, a empresa implementou criptografia ponta a ponta em um dos aplicativos mais populares do mundo. O que certamente é uma coisa boa.

Existem, no entanto, outras questões em aberto em relação à segurança. Um deles é pertencer ao Facebook, com tudo o que se passa com ele em termos de perigos de privacidade e campanhas de desinformação.

Se isso faz você se sentir como se suas comunicações no WhatsApp estivessem perpetuamente em risco, você pode usar aplicativos alternativos, como wickr (que envia mensagens autodestrutivas) ou Sinal, que criptografa mensagens de forma transparente. Ou, novamente, vá para Telegram , um projeto de código aberto baseado em criptografia AES simétrica de 256 bits e RSA de 2048 bits, virtualmente não decifrável por hackers.

Áudio vídeo O WhatsApp é realmente seguro?
Adicione um comentário do O WhatsApp é realmente seguro?
Comentário enviado com sucesso! Vamos analisá-lo nas próximas horas.